Visão global e pessoal, sobre temas da actualidade Nacional.
publicado por João Ricardo Lopes | Sexta-feira, 31 Julho , 2009, 14:48
Passados que foram estes poucos dias de descanso, eis-me de novo pretes a partir para mais uma jornada pelos mares da vida.
Escrevi a dias que está tudo um pasmaceira. Em parte é certo. Fui contudo brindado com alguns factos que me deixaram ainda mais preocupado.
Notas de exames baixas, confusão na saúde, decisão do TC , declarações do João Jardim, problemas nos bancos, gripe A, entre tantos outros... até o meu Sporting me decepcionou!
Nos exames (2ª fase) mais uma vez ressalta a falta de estudo e empenho, aliados por certo com a completa confusão no sector. Trocam-se medicamentos nos hospitais prejudicando ou mesmo mudando para sempre a vida dos cidadãos e o que ouvimos como resposta é o "não sabemos... estamos a investigar... temos que esperar... terá sido crime? ... . Quem se responsabiliza? Que preço vale uma vida dilacerada? Até onde vai a impunidade? o TC fez com que o Sr. Presidente da República sentisse que afinal a sua investida do verão passado valeu à pena. Já o seu oponente José Sócrates, mais uma vez foi vencido pela sua arrogância e teimosia. BPP e BPN; dois poços sem fundo (e sem fundos) que só ainda não acabaram porque deve haver gente muito graúda que corre o risco de ficar sem nada ou então, depois das eleições virá o que todos temem. Portugal vai ter afinal uma crise financeira séria. Gripe A; assunto sério com alarme a mais e informação e formação a menos. Alberto joão ; igual a si mesmo, complacentemente acompanhado pelo PSD. A oposição bem podem falar, pois ninguém põe mão nesse Sr. ; diga ele o que disser não lhe são pedidas responsabilidades. Por fim o meu Sporting. Que decepção! Mas cada um tem o que merece e com o Paulo Bento não vamos a lado nenhum!

publicado por João Ricardo Lopes | Quinta-feira, 23 Julho , 2009, 13:56
Quando há duas semanas escrevi sobre a eventual libertação do Dr. Oliveirra e Costa, só não sabia definir o tempo exacto para tal acontecimento.
Sabia, como muita gente sabe, no que poderia dar todo este processo.
Em todos eles, cria-se um "bode expiatório" par deixar espaço aos restantes de porem a casa em ordem. Desvia-se a atenção da população, enquanto o que é realmemte sério e importante não se investiga, não se castiga. Piora a situação, quando paira no ar a sensação de arranjos e concepções para benefícios próprios.
Não sei se o Dr. Oliveira e Costa poderia ou não continuar em prisão preventiva. Não sou jurísta, mas também no sou "parvo". Afinal, estar preso em casa é estar preso. Com pulseira ou não, vai dar ao mesmo. O senhor errou e teve ajudas e cumplicidades. Há que puni-los a todos sem excepção.
João Ricardo Lopes - Abraveses/Viseu

publicado por João Ricardo Lopes | Quinta-feira, 23 Julho , 2009, 13:56
Quando há duas semanas escrevi sobre a eventual libertação do Dr. Oliveirra e Costa, só não sabia definir o tempo exacto para tal acontecimento.
Sabia, como muita gente sabe, no que poderia dar todo este processo.
Em todos eles, cria-se um "bode expiatório" par deixar espaço aos restantes de porem a casa em ordem. Desvia-se a atenção da população, enquanto o que é realmemte sério e importante não se investiga, não se castiga. Piora a situação, quando paira no ar a sensação de arranjos e concepções para benefícios próprios.
Não sei se o Dr. Oliveira e Costa poderia ou não continuar em prisão preventiva. Não sou jurísta, mas também no sou "parvo". Afinal, estar preso em casa é estar preso. Com pulseira ou não, vai dar ao mesmo. O senhor errou e teve ajudas e cumplicidades. Há que puni-los a todos sem excepção.
João Ricardo Lopes - Abraveses/Viseu

publicado por João Ricardo Lopes | Terça-feira, 07 Julho , 2009, 15:20
decorriam as minhas observações, e do alto da gávea vi a notícia da possível ( provável ) libertação do Dr. Oliveira e Costa.
confesso que não fiquei espantado nem admirado. Aliás, depois do último depoimento na comissão Parlamentar do Dr. oliveira e Costa, ficou no ar a sensação que algo teria de ficar na penumbra do tempo e tudo o que foi dito e redito não passaria de meras conjecturas. O próprio D. Constâncio apresentou na sua última inquirição uma estratégia arrogante e desrespeitadora da isntituição Parlmento, com o objectivo único de desmontar o que contra ele estaria a ser instaurado no Sentido de provocar o seu afastamento do cargo.
Não vou, nem quero ser juíz do Sr. Constâncio, até porque não tenho formação para tal. Apenas transmito aquilo que sinto ser a opnião de milhares de Portugueses que, legitimamente, pensam que houve falhas gritantes na supervisão. Acredito que o colapso da banca poderia ter ocorrido se não tivesse sido feita a nacionaização do BPN. A génese do pensamento português tria, certamente, levado a uma desenfreada corrida aos bancosno que não seria nada útil ao sistema.
Voltando atras, a eventual libertação do responsável do BPN, só vem demonstrar que o nosso País ainda não está preparado para levar até ao fim e com as consequências inerentes, qualquer investigação. Numa palavra: crediblidade.
A suceder tal situação, ficará claro que muitos são os meandros onde não se pode entrar e revelações que não se podem fazer. Comprometem-se figurars de relevo na sociedade. Os tais "instalados" e "intocáveis".
Fosse o detido um cidadão normal, e ficaria muito mais tempo a espera de um julgamento cujo o resultado seria inevitávelmete condenatório. Tenderia a ser uma resposta exemplar para os factos ocorridos.
A justiça que temos assim conduz os inquéritos e traduz-se emresultados que interesam apenas à satisfação de grupos definidos e a quem ninguém toca.
João Ricardo Lopes - Abraveses/Viseu

publicado por João Ricardo Lopes | Domingo, 05 Julho , 2009, 08:21
O último debate sobre o estado da Nação, foi tudo menos debate. Aliás, na senda dos anteriores, em todos os que tenho acompanhado ( devo ter falhado uns 6) numca assisti ao debate verdadeiro e que se impõe.

Debater significa discutir, opinar, dar respostas e soluções, convergir nos pontos de vista. Infelizmente, em Portugal, os debates são autenticas batalhas campais, onde não importa se o que se discute tem ou não relevância para a vida do cidadão, mas sim se vai ou não manter o "tacho" e produzir votos. e pior do que isso, são os monólogos surdos que nos são oferecidos. Pena que não em bandeja de prata, pois teriam mais valor.

No último, excluída a "investida taurina" de Manuel Pinho que já teve comentários que cheguem, não foi diferente.

Assistimos ao regresso do "lobo", José Sócrates. A pele de cordeiro do pós eleições serviu para pouco tempo. talvez a lã fosse fraca. Regressou o PM que não engana ninguém, que tudo faz por nós, que é surdo às ideias ( mesmo que poucas ) da oposição.

Regressou o Sócrates que tem plena convicção de tudo ter feito a bem da Nação. De ter promovido o bem estar, baixado juros, criado empregos... onde? Ninguém viu.

Arrogante, convencido, surdo, mentiroso. Apliquem os adjectivos que quiserem, mas responsabilisem-se por isso. Sim porque é aqui que reside o nosso maior problema.

Ninguém se responsabiliza por nada! e quando algo corre mal, vai de encontrar um bode expiatório para tapar o que verdadeiramente aconteceu.

BNP,BPP,BCP, seguros por quem trabalha e paga impostos. Auditorias das quais num conhecemos resultados, proteção para quem tudo tem, e nada para para quem precisa. Desemprego quase no 10%... no parlamento, no debate da Nação, nem uma palavra a respeito. Dívida externa de dimensões perocupantes. Balança comercial nítidamente deficitária. Exportações no nível zero. crescimento económico nulo, enfim, um desfilar de situações negativas. Justiça, educação, saúde, tudo num desnorte completo.

Mas voltemos ao parlamento.

A cada intrevenção de um dos grupos parlamentares, ouve-se um chorrilho de críticas e em resposta nada de concreto. Acusam os partidos da oposição, defende-se o governo com acusações de falta de ética e ausência de soluções. Só do PS não saem críticas ao governo. Pudera! Estariam os lugares em risco.

E mesmo quando algo é dito que tenha valor e seja verdade... o PM cala-se e não responde.
Debater ideias e soluções. É isso que é preciso. Não estar agarrados ao lugar!
João Ricardo Lopes - Abraveses/Viseu

publicado por João Ricardo Lopes | Sábado, 04 Julho , 2009, 15:12
Esta foi uma semana onde a navegação até nem foi difícil.
Da gávea, pude observar um país que começa a dar os primeiros passos nas duas campanhas eleitorais que aí vêm, confundindo-se já com o período de férias que se avisinha .
Política é verdadeiramente isso. Dizer hoje o que ontem não interessava ou esquecer o que se disse e fez por força da estratégia do momento.
Ser político deveria implicar e obrigar `a coerência de actos e ideias. Infelizmente não é assim.
Custa-me a aceitar que políticos (mediáticos) que já estiveram na primeira linha da vida nacional, esqueçam os erros e atitudes tomadas enquanto poder e proponham-se agora a "rasgar" pura e simplesmente medidas tomadas. Medidas que do ponto de vista do actual governo, visavam a correção de erros ou fazer o que não foi feito pela oposição. Esta, por sua vez, acha que tudo está mal e nada deve ser mantido. Mas isso já não espanta ninguém. Os nossos políticos são mesmo assim.
E tudo foi passando até que chegamos ao momento mais VERGONHOSO que a nossa Democracia já assistiu até hoje. Era impensável que pudessemos ver num Ministro da Républica um acto tão lamentável quanto insólito. Esteve mal! Muito mal.
Por seu lado, José Sócrates agiu com celeridade e competência. Fica no entanto a dúvida se, não fora o período que atravessamos, esa celeridade seria a mesma.
Nada justifica tal atitude. Ainda assim, acredito que o ex ministro Pinho, estivesse mesmo muito mal da cabeça para agir como agiu. Sou mais pelo desnorte que graça no Governo e PS.
Vejamos se o nível do discurso político não baixa ainda mais.
João Ricardo Lopes - Abraveses/Viseu

publicado por João Ricardo Lopes | Quinta-feira, 02 Julho , 2009, 15:44
Estando por força da minha viajem,a observar o que se vai passando à minha volta na imensidão do mar que navego.
A atitude, o gesto, o momento, o local... Ninguém com o mínimo de bom senso poderá dar de barato e ignorar o gesto protagonizado pelo Ministro Manuel Pinho.
Embora não concorde com algumas actuações do ministro Pinho, há que reconhecer que alguma coisa saiu bem durante os quatro anos e meio de actividade. ms não é isso que interesa agora.
Tentando por-me na pele do ministro, é claro que até poderia ter razões para estar agastado com a oposição. Cançado, com sono, mal disposto...não sei. Ninguém sabe. Mas estamos a falar de alguém represnta o Governo de Portugal. Alguém de quem dependiam muitas famílias. Ele próprio chefe de família e que gora enfrenta uma posição muito difícil perante a mesma. sim, porque por mais apoio que possa ter, é sempre constrangedora uma situação assim.
O caso, que vai ser falado por muito tempo, passou-se na casa da Democracia. Perante os representantes do Povo democraticamente eleitos.
O Getso do ministro Pinho, desrespeitou não só os deputados, outros ministros e muito mais. Desrespeitou toda a população portuguesa, que votante ou não do PS.
Passou todos os limites do razoável, se é que existe um limite para tal.
É óbvio que o Governo sai fragilizado da situação. Não sei se até não será para o PS o pior de todos so problema.
João Ricardo Lopes - Abraveses/Viseu

mais sobre mim
Julho 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
24
25

26
27
28
29
30


pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds